chat Online

A+

A-

Voltar

Artigo: Mulheres e o Mercado Segurador

Por Coordenadoria de Comunicação Social   |   15 de Março de 2021 às 12:23

Na semana em que foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, a diretora de Ensino Técnico da ENS, Maria Helena Monteiro, teve artigo publicado no informativo do Sindseg-SC. Entusiasta das causas femininas, a executiva destaca no texto a resiliência, responsabilidade, paciência e sensibilidade das mulheres, especialmente neste período de pandemia. "Todos sabemos que um mercado mais diverso e inclusivo será mais capaz de captar tendências e apresentar melhores resultados".

Um tsunami de proporções inéditas tem arrastado o mundo para mudanças complexas em todos os países e em todas as camadas da sociedade. A pandemia nos tem trazido muitas lições e grandes indagações sobre o presente e o futuro. As mulheres, que historicamente sempre foram as maiores responsáveis pelos cuidados com a casa e com os filhos, viram sua situação se alterar e se agravar de forma surpreendente.
 
O primeiro resultado disso, consequência nefasta desse ano tão difícil, é que a participação das mulheres no mercado de trabalho brasileiro atingiu seu nível mais baixo desde 1990: perdemos 30 anos de avanços, que farão necessários muitos mais anos para recuperá-los.

Não é difícil reconhecer os problemas. A pandemia foi inesperada, mas a estrutura do trabalho doméstico, ainda carente de renovação, atingiu muito mais as mulheres. Como consequência, elas viram desmoronar projetos profissionais, na impossibilidade de conciliar as tarefas domésticas e o cuidado com os filhos confinados, e sem poder contar com nenhuma ajuda.

Tradicionalmente, a divisão das tarefas ainda tende a seguir o modelo segundo o qual o homem é o responsável pelo provento da família e a mulher pelos seus cuidados. Assim, se alguma carreira tem que ser sacrificada no momento de uma demanda extrema, normalmente é a da mulher que será imolada.
 
Muitas empresas, felizmente, já discutem ambientes de trabalho mais inclusivos, mas não havia como imaginar um cenário tão adverso como o que tivemos em 2020. Escolas e creches fechadas, idosos isolados e as mulheres tendo que encarar a tripla jornada de labor.
Não foram raros os registros de crianças interrompendo as reuniões ou choros e birras ao fundo da tela de computador, na tentativa de atrair a atenção de mães, que tentavam manter alguma racionalidade e serenidade na sequência interminável de reuniões pelos mais diversos aplicativos que se tornaram moda.
 
Nesse cenário adverso, a resiliência das mulheres foi testada ao limite – principalmente para as mulheres com trabalho habitualmente fora de casa e com filhos pequenos. Tudo se confundiu no espaço das residências e não são poucos os analistas antecipando que movimentos como o do home office vieram para ficar. Além disso, o confinamento doméstico produziu estatísticas preocupantes, relativas aos índices de violência doméstica e incidência de doenças mentais entre as mulheres.
 
Os números, publicados recentemente pela Susep, demonstram a resiliência do mercado segurador, que segue crescendo em muitos segmentos, apesar das circunstâncias desfavoráveis. É muito animador perceber a pujança de nosso setor, e poder associá-lo também aos cuidados com as carreiras femininas.
 
As discussões entre as seguradoras foram extensas e detalhadas, no sentido de oferecer a todos os funcionários as melhores condições de trabalho durante a pandemia. O cuidado com o tripé saúde financeira, emocional e física permeou a busca de soluções, o que nos leva a acreditar que sairemos, como setor, ainda mais fortalecidos, quando pudermos comemorar o fim desses tempos sombrios.
 
Nós, da Escola de Negócios e Seguros, há dez anos trabalhamos em prol das carreiras femininas. Através de pesquisas, palestras e publicações temos procurado acompanhar a evolução da participação das mulheres no mercado de seguros. E ela tem sido crescente. É muito gratificante perceber que há outras instituições criadas no mercado especialmente para apoiar a causa da diversidade – caso da AMMS (Associação das Mulheres no Mercado de Seguros) e do IDIS (Instituto pela Diversidade e Inclusão no Setor de Seguros). A CNseg considera esse assunto como prioritário. Todos sabemos que um mercado mais diverso e inclusivo será mais capaz de captar tendências e apresentar melhores resultados.
 
Em março, comemoramos o Dia da Mulher – e nossa homenagem tem que ir para todas as mulheres que têm se desdobrado tanto nessa pandemia, garantindo o funcionamento das casas, os cuidados com os idosos, a educação das crianças, a consistência nas carreiras e, sobretudo, a esperança no futuro. Torcendo para que o grande aprendizado desse ano de pandemia seja a ampliação do compartilhamento e o desenvolvimento de homens mais participativos, aptos a apoiar, em futuro breve, mulheres menos atarefadas e mais felizes.
 
Maria Helena Monteiro
Diretora de Ensino Técnico da
Escola de Negócios e Seguros (ENS)

Outras Notícias

01/59/2022 - 11:59

Corpo docente é diferencial da pós em Regulação

ler mais

30/27/2022 - 01:27

Corretores de SP conheceram nova fonte de receita

ler mais

29/23/2022 - 04:23

Por que o ensino presencial ainda vale a pena

ler mais

28/50/2022 - 02:50

“É inegável que o mercado de Vida vem crescendo”

ler mais